Planeta Tutorial
Planeta Tutorial

Ola Visitante, Seja bem vindo(a) ao Planeta Tutorial, esta-mos em construção em breve estaremos prontos para lhe atender e fornecer-lhe tutoriais e dicas diversas para você aprimorar os seus conhecimentos e passar para outros. esperamos que você goste de nosso conteudo e se torne um Membro para poder participar ainda mais de nossas atividades. Vale também ressaltar que, Para você ter acesso aos links por ai , é necessário ser registrado, então se registre .
Se já tem uma conta no forúm,
Logue-se .
Painel de Usuario

Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens
Menu
Redes Sociais
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Translate
Últimos assuntos
» Regras da Área de pedidos
Ter 28 Jun 2011 - 17:31 por Admin

» Efeito Glow
Seg 27 Jun 2011 - 17:39 por Admin

» Efeito Brilho Suave nas fotos
Seg 27 Jun 2011 - 17:33 por Admin

» Arte geométrica com Photoshop
Seg 27 Jun 2011 - 17:31 por Admin

» Efeito Varinha Mágica no Photoshop
Sab 25 Jun 2011 - 15:20 por konan

» Montagem multicolorida com tintas e efeitos diversos
Sab 25 Jun 2011 - 15:18 por konan

» Linhas luminescentes no Photoshop
Sab 25 Jun 2011 - 15:17 por konan

» Segredos sobre design de site
Sex 24 Jun 2011 - 23:00 por konan

» Hardware para iniciantes, parte 5
Sex 24 Jun 2011 - 22:41 por konan

Estatísticas
Temos 26 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de kaironborges

Os nossos membros postaram um total de 144 mensagens em 142 assuntos
Radio Jovem Pan
Relogio
Dezembro 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Visitou

Hardware para iniciantes, parte 2

Ir em baixo

Tutoriais Hardware para iniciantes, parte 2

Mensagem por konan em Sex 24 Jun 2011 - 22:30

Introdução

Clique aqui para ler a primeira parte

Depois do processador, temos a memória RAM, que funciona como uma espécie de mesa de trabalho, armazenando arquivos e aplicativos em uso. A quantidade de memória RAM disponível tem um grande efeito sobre o desempenho, já que sem memória RAM suficiente o sistema é obrigado a usar memória swap, que é muito mais lenta. Na maioria das situações, ter uma quantidade suficiente de memória RAM instalada é mais importante que o desempenho do processador.

A memória RAM é um componente essencial não apenas nos PCs, mas em qualquer tipo de computador. Por mais que se tenha espaço disponível para armazenamento, na forma de HDs ou memória Flash, é sempre necessário ter uma certa quantidade de memória RAM; e, naturalmente, quanto mais melhor.

Graças ao uso da memória swap, é possível rodar a maioria dos sistemas operacionais modernos com quantidades relativamente pequenas de memória. No caso do Linux, é possível inicializar uma instalação enxuta (em modo texto, com pouca coisa além do kernel e o interpretador de comandos) com apenas 4 MB de memória. O problema é que com pouca memória o sistema fica extremamente lento (como qualquer um que já tentou rodar o Windows 7 ou uma distribuição Linux recente em um PC com menos de 256 MB de memória pode atestar... Smile

A sigla "RAM" vem de "Random Access Memory", ou "memória de acesso aleatório", indicando a principal característica da memória RAM, que é o fato de permitir o acesso direto a qualquer um dos endereços disponíveis, de forma bastante rápida.

Ao carregar um programa, ele é lido no HD (ou outra mídia de armazenamento) e é transferido para a memória RAM, para só então ser executado pelo processador. A memória RAM oferece tempos de acesso brutalmente mais baixos que o HD e trabalha com taxas de transferência muito mais altas, mas possui a desvantagem de perder os dados armazenados quando o micro é desligado; daí a necessidade de salvar os arquivos periodicamente.

É também por causa disso que o processo de boot é refeito cada vez que você liga o micro. Durante o boot, o sistema operacional, drivers, bibliotecas e aplicativos são novamente copiados para a memória, junto com suas configurações e preferências.

A única forma de evitar repetir o demorado processo de boot é manter a memória RAM ativa, ou salvar seu conteúdo no HD, recuperando-o no próximo boot. Essas são as estratégias usadas pelas opções de suspender e hibernar, disponíveis tanto no Windows quanto na maioria das distribuições Linux.



Ao suspender (dormir), a maioria dos componentes do sistema são desligados, incluindo o HD, a placa de vídeo e a maior parte dos componentes da placa-mãe. Mesmo o processador entra em um estágio de baixo consumo, onde a maior parte dos componentes internos são desativados e o clock é reduzido. Praticamente, os únicos componentes que continuam realmente ativos são os módulos de memória. Graças a isso o PC acaba consumindo (geralmente) menos de 20 watts de energia e pode voltar ao estágio original muito rapidamente.

Ao hibernar, o conteúdo da memória RAM é copiado para uma área reservada do HD e o micro é desligado. Ao ligar novamente, o conteúdo da memória é restaurado e temos o sistema de volta, sem precisar passar pelo processo normal de boot. O problema da hibernação é que a restauração demora muito mais tempo, já que é necessário ler 512 MB, 1 GB ou mesmo 4 GB de dados (equivalentes à quantidade de memória RAM instalada) a partir do HD, o que muitas vezes demora mais do que um boot completo.

Além dos diferentes tipos de memória RAM, existem também outras tecnologias de memórias de acesso aleatório, como as SRAM e, mais recentemente, as Phase-change. Temos ainda as onipresentes memórias Flash, que concorrem com os HDs como mídia de armazenamento.

O tipo mais comum de memória RAM, aquela que compramos na forma de módulos e instalamos na placa-mãe, é chamada de DRAM, ou "dynamic RAM". A memória DRAM passou a ser usada apenas a partir do final da década de 70, substituindo os chips de memória SRAM, que eram muito mais caros. Com o passar do tempo, as memórias DRAM viraram o padrão, de forma que geralmente dizemos apenas "memória RAM" e não "memória DRAM".

Dentro de um chip de memória DRAM, cada bit é formado pelo conjunto de um transistor e um capacitor. O transistor controla a passagem da corrente elétrica, enquanto o capacitor a armazena por um curto período. Quando o capacitor contém um impulso elétrico, temos um bit 1 e quando ele está descarregado temos um bit 0.

Quando falo em "capacitor", tenha em mente que não estamos falando em nada similar aos capacitores eletrolíticos da placa-mãe. Os "capacitores" usados nos chips de memória são extremamente pequenos e simples (basicamente dois pequenos blocos de metal ligados ao transistor), que conservam o impulso elétrico por apenas uma fração de segundo.

Para evitar a perda dos dados, a placa-mãe inclui um circuito de refresh, que é responsável por regravar o conteúdo da memória várias vezes por segundo (a cada 64 milissegundos ou menos), algo similar ao que temos em uma TV ou monitor CRT, onde o canhão de elétrons do monitor precisa atualizar a imagem várias vezes por segundo para evitar que as células de fósforo percam seu brilho.

O processo de refresh atrapalha duplamente, pois consome energia (que acaba sendo transformada em calor, contribuindo para o aquecimento do micro) e torna o acesso à memória mais lento. Apesar disso, não existe muito o que fazer, pois a única solução seria passar a usar memória SRAM, que é absurdamente mais cara.

Mesmo utilizando um único transistor por bit, os módulos de memória RAM são formados por um número assustador deles, muito mais que os processadores e outros componentes. Um módulo de memória de 4 GB, por exemplo, é formado geralmente por 16 chips de 2 gigabits cada um (2 gigabits = 256 megabytes). Com isso, cada chip possui mais de 2 bilhões de pares de transistores e capacitores e o módulo inteiro acumula mais de 32 bilhões de conjuntos.

Apesar dessa brutal quantidade de transistores, os chips de memória são relativamente simples de se produzir, já que basta repetir a mesma estrutura indefinidamente. É muito diferente de um processador, que além de ser muito mais complexo, precisa ser capaz de operar a frequências muito mais altas.

Com a evolução das técnicas de fabricação, os módulos de memória foram ficando cada vez mais baratos com o passar das décadas. Na época dos micros 486, chegava-se a pagar 40 dólares por megabyte de memória, valor que hoje em dia compra um módulo de 1 GB ou mais.

O problema é que os requisitos dos sistemas operacionais e aplicativos também aumentaram, quase que na mesma proporção. Enquanto o MS-DOS rodava bem com 2 ou 4 MB de memória, o Windows 95 já precisava de pelo menos 16 MB. O Windows XP (assim como a maioria das distribuições Linux atuais) não roda bem com menos de 512 MB, enquanto no Windows 7 o ideal é usar 1 GB ou mais.

Naturalmente, estes são apenas os requisitos básicos para rodar aplicativos leves. Muitos jogos e aplicativos pesados precisam de 2 GB de memória para rodar bem e o hábito de manter vários aplicativos abertos simultaneamente faz com que o valor suba rapidamente.

Salvo raras exceções, a capacidade dos módulos de memória é duplicada regularmente, conforme os fabricantes introduzem novas técnicas de fabricação. Por bizarro que possa parecer, os primeiros chips de memória (produzidos no final da década de 60) tinham apenas 64 bits (ou seja, meros 8 bytes), que com o tempo se transformaram em 128 bits, 256, 512, 1024 e assim por diante, até chegar aos chips de 2 gigabits ou mais usados atualmente.

Conforme módulos de maior capacidade são introduzidos, os módulos de capacidade mais baixa são retirados de produção, já que não faz sentido manter a produção de chips de baixa capacidade, cujo custo por megabyte é mais alto. É por isso que módulos de memória de tecnologias obsoletas (como os módulos de memória SDR usados até poucos anos atrás) são tão caros e difíceis de achar.

Os micros 486 usavam memórias FPM, que foram substituídas pelas memórias EDO na época do Pentium. O lançamento do Pentium II e do K6-2 marcou a migração para as memórias SDRAM, que podem ser consideradas o início da era moderna.

Existem 4 tipos de memória SDRAM: as SDR (uma transferência por ciclo), as DDR (duas transferências por ciclo), as DDR2 (4 transferências por ciclo) e as DDR3 (8 transferências por ciclo).

Os módulos de memória SDR são usados em micros antigos: Pentium II, Pentium III e os primeiros Athlons e Durons soquete A. As memórias DDR passaram a ser usadas a partir do Athlon Thunderbird e do Pentium 4, enquanto as DDR2 foram adotadas a partir das placas soquete 775 (no caso da Intel) e a partir dos modelos Athlon 64 para placas AM2, no caso da AMD.

Mais recentemente, temos assistido a uma nova migração, com a introdução dos módulos de memória DDR3, que foram adotados a partir dos processadores Core i7 e i5 no caso da Intel e a partir dos Phenom II destinados a placas AM3, no caso da AMD.

Infelizmente, cada nova tecnologia de memória é incompatível com a antiga, o que elimina a possibilidade de aproveitar os módulos antigos ao fazer upgrade. Entretanto, a queda nos preços das memórias tem reduzido esse problema. Antigamente se gastava 500 reais ou mais para ter uma quantidade aceitável de memória no PC, enquanto hoje em dia pode-se passar muito bem com apenas um ou dois módulos de 80 reais cada.

Algumas placas (geralmente modelos de baixo custo) possuem dois tipos de soquete, permitindo usar módulos SDR e DDR, DDR e DDR2 ou DDR2 e DDR3 de acordo com a conveniência, mas sem misturar os dois tipos. Elas são relativamente comuns durante os períodos de transição, quando uma tecnologia de memória é substituída por outra e podem ser uma opção em alguns casos.
avatar
konan
Uplouder
Uplouder

Respeito às regras : Respeito as regras 100%

Mensagens : 59
Reputação : 0
Data de inscrição : 13/06/2011
Idade : 26

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum